adplus-dvertising

Qual é a fisiopatologia da esclerose múltipla?

Qual é a fisiopatologia da esclerose múltipla?

Esclerose múltipla (EM) é uma doença desmielinizante de etiologia ainda desconhecida, caracterizada por uma reacção inflamatória na qual são danificadas as bainhas de mielina que envolvem os axónios dos neurónios cerebrais e medulares, levando à sua desmielinização e ao aparecimento de um vasto quadro de sinais e ...

Como se da esclerose múltipla?

A esclerose múltipla (EM) é uma enfermidade autoimune que afeta o sistema nervoso central (cérebro) e medula espinhal por uma falha do sistema imunológico, que confunde células saudáveis com invasoras. O corpo as ataca provocando danos ao corroer a bainha de mielina, camada protetora que envolve os nervos.

Como ocorre a desmielinização na esclerose múltipla?

Na Esclerose Múltipla, a perda de mielina (substância cuja função é fazer com que o impulso nervoso percorra os neurônios) leva a interferência na transmissão dos impulsos elétricos e isto produz os diversos sintomas da doença. Esse processo é chamado de desmielinização.

Como viver uma pessoa com esclerose múltipla?

"Como a EM não tem cura e não costuma encurtar a expectativa de vida, a pessoa vive muitos anos com a doença. O paciente precisa ser bem acompanhado e receber o tratamento adequado para conseguir o melhor resultado possível", explica o médico. A evolução do tratamento foi muito rápida.

Quem tem esclerose múltipla pode ingerir bebidas alcoólicas?

Pessoas com Esclerose Múltipla devem consultar seu médico para saber se há alguma restrição ao consumo de bebida alcoólica, em relação à medicação utilizada em seu tratamento, pois a mistura de ambos pode prejudicar o fígado, além de desencadear outros problemas.

Quem tem esclerose múltipla pode ter filhos?

Hoje sabemos que a esclerose múltipla não tem contraindicação para a gravidez, e que a gravidez não influencia negativamente a esclerose múltipla. Na verdade, as mulheres que engravidaram durante o curso da esclerose múltipla parecem ter melhor evolução da doença do que aquelas que não engravidaram.

Quem tem esclerose múltipla pode fumar?

Dados de pesquisas recentes demonstraram que pessoas que fumam têm um risco 40 a 80% maior de desenvolver esclerose múltipla do que aquelas que não fumam2-6. Sendo assim, o cigarro pode ser considerado como também um dos prováveis agentes ambientais que pode determinar o aparecimento da doença1,5.

Qual a expectativa de vida de uma pessoa com ela?

Com o tempo, as pessoas com doença perdem progressivamente a capacidade funcional e de cuidar de si mesmas. O óbito, em geral, ocorre entre três e cinco anos após o diagnóstico. Cerca de 25% dos pacientes sobrevivem por mais de cinco anos depois do diagnóstico.

O que é a síndrome de ela?

A esclerose lateral amiotrófica, também conhecida como ELA, é uma doença degenerativa que provoca a destruição dos neurônios responsáveis pelo movimento dos músculos voluntários, levando a uma paralisia progressiva que acaba impedindo tarefas simples como andar, mastigar ou falar, por exemplo.

Quantos casos de ela tem no Brasil?

A esclerose lateral amiotrófica, ou simplesmente ELA, não passava de uma ilustre desconhecida para a maior parte da população há alguns anos. Afinal, é uma doença rara, que atinge cerca de 12 mil pessoas no Brasil.

Como detectar a esclerose lateral amiotrófica?

Diagnóstico de Esclerose lateral amiotrófica Pode haver tremores, espasmos e contrações musculares, ou perda de tecido muscular (atrofia). Atrofia e contrações involuntárias da língua são comuns. A pessoa pode ter um jeito de andar rígido ou desajeitado. Os reflexos são anormais.

Como evitar a doença ela?

Prevenção: Não e conhecida nenhuma forma de prevenção. Pode ser recomendado o aconselhamento genético se houver história familiar de ELA. Sintomas: A fraqueza muscular.

Como evitar esclerose lateral amiotrófica?

A vitamina D é conhecida como a vitamina do sol porque o corpo humano gera em resposta à luz solar. Pesquisas indicam que níveis adequados de vitamina D podem desempenhar um papel na proteção contra a esclerose múltipla.